Venezuela, um acontecimento alvissareiro para os povos da América e do Mundo

No manifesto Comunista, Marx diz no seu início, que um espectro ronda a Europa, o espectro do Comunismo. A teoria do Socialismo Científico começara a ser esboçada de uma maneira clara, objetiva, precisa. As leis científica do modo de produção capitalista e de todos as suas mazelas, eram esboçadas uma a uma, demonstrando evidentemente que o Capitalismo é um sistema econômico que passará a história. Mesmo com todo o investimento nas teorias mais absurdas do Fim da História, que hora aparecem em tal situação, ora aparecem em outra, a burguesia perde o sono e vive com o pesadelo do espectro.

O retrocesso no curso do desenvolvimento do Socialismo na URSS, deu ânimo novamente para os parasitas, que puderam com mais veemência atacar os povos, inclusive os seus próprios, desmontando o Estado de Bem Estar Social, fazendo o Neoliberalismo ser a força de esfolamento e massacre dos povos. A lei do lucro máximo, passara a vigorar abertamente no imperialismo neste período. O Neoliberalismo não fez com que a crise do capital diminuísse mas pelo contrário, aprofundasse. Chamam essa nova crise do sistema capitalista/imperialista, de um ultra-liberalismo, que em essência, nada mais é que, diante da crise, um novo aprofundamento do Neoliberalismo, sob os povos que, ao resistirem em um primeiro momento ao Consenso de Washington, não conseguiram se orientar no rumo do enfrentamento ao imperialismo e as próprias Oligarquias internas de seus países. Nesta luta, foram ganhos por teorias falsas, de que é possível atenuar as leis do capitalismo, modificar as suas mazelas, domesticá-lo e colocá-lo a serviço dos povos, como ser possível a convivência pacífica, entre a exploração da mais valia e o bem estar dos povos.

Mas nesta nova onda, de golpes e intervenções em todo mundo, e já não são poucos os países que o imperialismo interviu abertamente ( Líbia, Síria, Ucrânia, Iraque, Afeganistão, Egito ), outros com tentativa, de inúmeros golpes ( Turquia, Catar, Irã, Paraguai, Honduras, Brasil, Venezuela). Apenas, dois foram os locais, onde essas perspectivas a ação imperialista Ianque, tendo como aliado a Inglaterra, França, não deu certo, isto é, não aconteceu aos moldes que planejara. Um foi na Síria, e o outro na Venezuela. Na Síria, os interesses desses países imperialistas citados ( E.U.A, França, Inglaterra ) chocou-se com os interesses da Rússia, que foi determinante nesse processo na defesa dos interesses do povo Sírio. E a Venezuela, foi salvo pelo povo na rua com armas. O golpe, realizado pela CIA, contra Hugo Chaves, teve uma reação popular, que as Oligarquias Venezuelanas, fiéis ao imperialismo Norte Americano e o próprio imperialismo Ianque, devolveu Chaves aos braços do povo. As mentiras de que Hugo Chaves havia renunciado, não colou, e o imperialismo e seus aliados viram-se de saia justa diante da força do povo em armas.

Convivemos após esse golpe na Venezuela, inúmeros episódios do “ditador” Venezuelano, Hugo Chaves, e a máfia Oligárquica, que por anos sentenciou o povo a miséria e a pobreza, em prol dos benefícios principalmente petrolíferos ao Estado Ianque, ser chamada pela mídia golpista de Oposição Democrática. De um lado, um ditador sanguinário, do outro a Democracia. Até hoje, a Oligarquia burguesa da Venezuela e o Imperialismo não engoliram esse episódio. Os derrotados, fascistas inundam as meios de comunicação, que nós sabemos bem a que senhor prestam serviço, que o atual presidente eleito, tem de ser derrubado, pois é um Ditador. Ora, Ora, quem falando; Globo, EUA, CNN, ministro de Temer golpista, presidente da Argentina que abriu as portas novamente ao pagamento de dívidas dos grandes banqueiros internacionais. Mas não os subestimamos, pois além dos meios de comunicação, tenham o controle das mercadorias, dos produtos que possam chegar ao povo; episódios que não são novos em nossa história, é só lembrar um pouco do episódios dos caminhoneiros no Chile de Allende, e dos nossos caminhoneiros no golpe contra a Dilma.

Mas, seguindo a ciência da luta de classes, sabemos bem tudo o que representa neste momento a luta dos povos, o caminho feito pela Venezuela contra o imperialismo Ianque e as suas Oligarquias Burguesas internas, promíscuas na venda da força de trabalho do povo e de todas as riquezas do solo e do subsolo, para permanecerem “eternamente” desfrutando desses benefícios. Por isso a luta desesperada do Imperialismo pra restabelecer a “ordem” deles, pois ela (a Venezuela) pode ser um educador no caminho de outros povos, principalmente latinos americanos, a não baixar a cabeça frente a esses dois mantenedores das misérias dos nossos povos. Por outro lado, ele (o imperialismo) sabe que, encontrou um osso duro de roer e pelo jeito um povo que já não confia nas Oligarquias internas e muito menos no imperialismo. E qual o caminho? A intervenção militar dos democráticos Ianques, contra os ditaduras e os ditadores. Parece até piada, mas não é.

Antes disso porém, é preciso criar uma opinião pública internacional de que Maduro é um fascista, diferente de Hugo Chaves, um líder que defendia a democracia e o povo Venezuelano. A burguesia calejada de enganar os povos, usa a democracia como um valor universal para atrair adeptos, pois sabe que é uma palavrinha mágica, atraente, pois além de ser universal, isto é, pra todos, é democrático. E a burguesia sabe, desde seu nascimento quanto classe, que isto é a mais clara ilusão da política, e se proclamada por ela, e aceita por muitos, pode se fazer qualquer barbaridade, pois estão a executar em nome da democracia.

Fazem quase 60 anos da última revolução Socialista no mundo. A Venezuela tem sido um expoente na luta pela libertação dos povos Latino americanos e no enfrentamento com o Imperialismo Ianque. Tem sido atacado por todo o tipo de governo fascistas, e nesse momento, por aqueles que menos tem autoridade de falar em democracia. Nós do PC entendemos que o que vem ocorrendo na Venezuela é um acontecimento alvissareiro, que difere de tudo o que temos visto recentemente. O seu governo, odiado pela mídia, atacado pelos fascistas, mantém se de pé na luta pela transformação da democracia burguesa em uma democracia popular, no rumo talvez da ditadura do proletariado, essa sim, temido pelos exploradores, defendido e muito almejado por nós.

Conclamamos a todas a lideranças de esquerda, progressistas e populares a não se deixar levar pelo monopólio da mídia internacional, pelos golpistas, pelos fascistas que querem desmoralizar um caminho que pelo visto é o oposto do que eles pretendem. Também, a se levantarem contra o imperialismo Ianque, que já levou na última década a invasão de vários povos e inclusive a derrubada do governo Dilma e também a cerrar fileira contra as Oligarquias Venezuelanas, Brasileiras, Argentinas e de toda a América do Sul, que são parasitas menores das do grande Capital, e tudo fazem para massacrar o povo em prol de manterem as suas quireras. Entendemos que defender a Venezuela nesse momento, é defender contra o aprofundamento do Golpe em nosso País e em toda América do Sul, e um caminho alvissareiro na luta contra o imperialismo, as Oligarquias parasitárias e entreguistas da América ( Sócias menores do grande Capital), e pela Revolução Socialista.

Viva a Constituição democrática popular da Venezuela.

Fora imperialismo da Venezuela.

Viva a Revolução Socialista.