Documentário: A revolução não será televisionada

O documentário “A revolução não será televisionada” retrata como o imperialismo utiliza o monopólio dos meios de comunicação para promover golpes de estado principalmente na América Latina. Esse vídeo mostra a tentativa fracassada na Venezuela e se assemelha em muito com o que a rede Globo vem tentando fazer hoje no Brasil.

A Revolução Não Será Televisionada, também conhecido como Chávez: Bastidores do Golpe (Chavez: Inside The Coup), é um documentário irlandês, filmado e dirigido por dois cineastas irlandeses, Kim Bartley e Donnacha O’Briain, a respeito do golpe de estado que, em 2002, depôs o presidente eleito da Venezuela, Hugo Chávez. Após dois dias, durante os quais o empresário Pedro Carmona foi declarado chefe de estado, permanecendo no palácio presidencial pelas 48 horas seguintes.

O golpe perdeu força, e Chávez retomou o poder. Esse documentário mostrou como estava a vida dos venezuelanos entre a época que aconteceu o golpe de estado e a recuperação de Hugo Chávez.

O documentário nasceu por obra de uma equipe de TV irlandesa (Rádio Telefís Éirieann) que estava em Caracas, no Palácio de Miraflores, para filmar um documentário sobre Chávez. Ao perceber a agitação política no país, os documentaristas direcionaram seu foco para os acontecimentos que levaram à deposição e ao retorno de Chávez.

Esse documentário ganhou doze importantes prêmios internacionais e foi nomeado para mais quatro.

 

 

Fonte: Wikipédia